Adriana Kroehne, da Bike Expedition, dá dicas de treino e segurança para uma viagem de bicicleta

0

A  bike expedition é especializada em roteiros de charme  tendo a bicicleta como meio  de transporte principal. A agência é comandada por Adriana Kroehne, que faz questão de conhecer  pessoalmente cada detalhe de roteiro, o que significa dias de pedaladas por ano. Aqui ela dá dicas para quem quer se aventurar por dias de contato estreito com a natureza, aproveitando a vida ao ar livre,   mas duvida da boa forma para enfrentar este desafio pelas  belas paisagens da Europa, América Latina e Ásia.

wegner-patagonia-expedition-race_46299_600x450

O TREINO

É sempre bom lembrar que o treino não vai te preparar para chegar “na frente” de ninguém, afinal quem faz uma viagem destas, não tem como objetivo “chegar”, mas curtir o caminho com prazer e conforto. Este é o objetivo do treino: chegar inteiro e querendo mais.

·        considerar a distância que se quer percorrer bem como a inclinação das estradas.

·        Se for para a Holanda,  Vale do Loire, Bourgogne ou qualquer destino mais planinho, um mês de treino é suficiente e recomendado.

·        Para a Provence, Alsácia, Puglia, ou roteiros de nível intermediário, considere de dois a três meses.

·        Se você for um apaixonado por bike e quiser grandes desafios e pensar na Catalunha, Croácia ou  Toscana, comece a se preparar com 4 meses de antecedência.

·        Faça aulas de spinning

·        Aproveite os fins de semana para pedalar com os amigos. Além de um programa delicioso, nos roteiros as pedaladas acontecem em vias urbanas, estradas, ciclovias e a técnica “de rua” também é muito importante.

A SEGURANÇA

Antes de mais nada, estude a cultura do destino onde você pretende pedalar. Informações básicas podem fazer muita diferença, como se o destino é “bike friendly” e os carros e pedestres respeitam os ciclistas, se há estradas pouco movimentadas,

·        Use sempre capacete. Pense nele como os freios de sua bike: se estiver sem, não saia.

·        Luvinhas são sempre muito úteis. Além de proteger as mãos do sol, pense: o que vai ao chão em primeiro lugar no caso de uma queda?

·        Não esqueça seus óculos de sol. Protege do sol e da poeira e pedrinhas que podem ser levantados por outros carros.

·        – Pedale sempre no sentido dos carros, nunca pela contra-mão.

·        – Numa rotatória, pare e somente quando não houver fluxo de veículos, avance.

·        – Sinalize com as mãos quando for virar. Da mesma forma que um carro, quem vem atrás deve saber de suas intenções.

·        – Não freie bruscamente, especialmente se você estiver sendo seguido por outras bikes.

·        – Use lanternas, colete ou qualquer sinalizador que seja bem visível, especialmente à noite.

·        – segure o guidão com as duas mãos, especialmente nas ladeiras. Uma simples pedrinha pode fazer um grande estrago se você não estiver bem habituado ao seu meio de transporte.

HIDRATAÇÃO E ALIMENTAÇÃO

Enquanto estiver pedalando, beba muita água e isotônicos.

·        Para trechos mais longos, alimente-se com freqüência, mesmo antes de sentir fome. A reposição de líquidos deve ser feita com muito mais intensidade do que quando você está em repouso.

TRANSPORTE da BICICLETA

 Antes de mais nada, considere que pedalar é um esporte crescente no mundo todo e você hoje tem muita facilidade em encontrar bikes de excelente qualidade em muitos lugares. Vale uma pesquisa antes de se programar para saber se levar sua bike é mesmo a melhor opção. Considere, além do transporte aéreo, o taxi que você terá que pegar para chegar ao seu hotel ou trem, ônibus e transfers em terra depois de seu desembarque.

·        Vai mesmo levar sua bike para um passeio de avião? Consulte sempre sua companhia aérea sobre as regras para o embarque de sua magrela.

·        Para viagens internas no Brasil, normalmente ela pode viajar montada. Vale proteger o quadro com plástico bolha, e dar especial atenção à corrente e pedais.

·        Para viagens internacionais, sua bike deve ir desmontada e acondicionada em uma mala-bike. Descarte imediatamente as de tecido, mesmo que acolchoadas. O risco de um raio ou qualquer peça delicada chegar torto é grande.

·        As melhores são as rígidas, com espaços perfeitos para cada uma das peças. Invista nestas, apesar do preço mais elevado, é a melhor garantia de que sua bike chegará inteira.

·        Esta é a única viagem que você fará e não quer investir numa mala-bike cara? Há duas boas opções:

Alugar uma. Boas bicicletarias dispõe de ótimas marcas para aluguel.

Compartilhe

Deixe sua interação